Por: Agro Marketing Mix Aberto em: dezembro 20, 2017 Em: Agro Marketing Mix, Planejamento Estratégico Comentários: 0
20dez

Hoje, no Brasil, 47% do volume total de leite é produzido em pequenas propriedades. O que resulta em 1,2 milhão de produtores que têm o salário proveniente deste produto. Esta é a atividade que mais gera empregos no país, afinal, são mais de 4 milhões de pessoas trabalhando ativamente no mercado de leite, considerando desde a indústria de laticínios até e a produção primária no campo. A estimativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil é que em 2017 sejam produzidos 34,9 bilhões de litros de leite, resultando em um faturamento de R$ 46,8 bilhões.

Toda a potência desta produção é destinada à um mercado de mais de 90 produtos que levam o leite ou a proteína do leite em sua composição. Dentre eles, não estão apenas produtos alimentícios, mas também da indústria de cosméticos, higiene pessoal e medicamentos. São os dados do portal da Revista Balde Branco (2017).

É comprovado que o leite oferece diversos benefícios à saúde humana, tais como a redução da pressão arterial, e prevenções a doenças como a osteoporose e o diabetes tipo 2. Contudo, mesmo diante dessas vantagens, seu consumo vem sendo muito questionado devido à uma tendência mundial de alimentação saudável.

Vivemos um momento “zero lactose, zero glúten e zero açúcar”, o que faz surgir um mercado potencial. Trata-se de uma grande oportunidade de inovação para as indústrias de produtos lácteos. É hora oferecer opções premium, que se adaptem a esta nova vertente alimentícia.

Tendências para o mercado de produtos lácteos

Em 2017, Instituto de Tecnologia de Alimentos de São Paulo realizou um estudo de Tendências do Mercado de Produtos Lácteos para os próximos três anos, que detectou os fatores de decisão dos consumidores no momento da compra de laticínios, e pode ser usada como guia para o desenvolvimento de novos produtos da indústria deste setor. Confira, a seguir, algumas tendências de preferências do consumidor identificadas na pesquisa:

Densidade Nutricional e Conveniência

Nesta tendência, os consumidores buscam produtos que proporcionem uma nutrição prática, enriquecendo sua dieta com os nutrientes naturais do leite em alta concentração. Exemplos: leites, bebidas lácteas, iogurtes, queijos e sorvetes que invistam no alto teor de proteína como o diferencial, e que também podem ser opções saborosas de “snacks”, práticas para levar e comer em qualquer lugar, como porções de queijo, milk-shakes e refeições líquidas.

Digestibilidade e Bem-Estar

Também existem aqueles que buscam pelos produtos ricos em fibras e pro-bióticos, que auxiliam na regulação do sistema digestórios e equilíbrio do organismo como um todo. Exemplos: leite fermentado, iogurtes com probióticos, kefir com probióticos, queijos com probióticos.

Funcionalidade e Prevenção

A preferência por produtos lácteos com ingredientes que auxiliem na melhora do sono, estresse, recuperação muscular, perda de peso, além de produtos com ingredientes preventivos para doenças como diabetes e hipertensão também representam uma tendência de consumo. Exemplos: Leite UHT enriquecido com ômega 3 e com fitoesteróis, iogurte com antioxidantes, queijo enriquecido com esteróis vegetais.

Controle e Adequação

Neste caso, a tendência é a busca por produtos com baixo teor de sódio, gordura, açúcares e sem lactose, o que se conecta diretamente com a tendência de busca por hábitos mais saudáveis mencionada anteriormente. Este é um mercado onde a adaptação dos produtos tradicionais para estas exigências do consumidor, é uma saída com oportunidade de alto retorno. Exemplos: queijos e requeijões com teor de sódio reduzido; manteiga, queijos, leite condensado, doce de leite, creme de leite com menos gordura; iogurtes, sorvetes, leite condensado, doce de leite sem adição de açúcar; leite UHT, leite em pó, creme de leite, requeijões, queijos, iogurtes e doces sem lactose.

Premiunização e Sensorialidade

A procura por lácteos que ofereçam diferenciação, produtos sofisticados, artesanais, (como os provenientes de leite não-bovino), também figura como uma linha promissora para os negócios. Há também a preferência por produções artesanais e locais, personalizados para um público específico, que tem mais valor agregado. E ainda produtos exóticos, que proporcionem uma fuga do cotidiano com experiências sensoriais no consumo. Exemplos: queijos nobres como gruyere, stilton com especiarias como nozes, gengibre, e damasco; queijos artesanais; queijos orgânicos feito com leite de animais criados a pasto; leite cru; leite de caprinos.

Sustentabilidade e Naturalidade

A valorização do processo de produção do alimento, reflete em uma busca por empresas que prezam pela transparência sua responsabilidade social, a preocupação com o meio ambiente, e tem preferência pelo hábito de consumo consciente, muitas vezes relacionados a produtos orgânicos, frescos, e com menos ingredientes, ou seja, o mais natural possível. Exemplos: leite, bebidas lácteas, queijos, manteiga, creme de leite, iogurtes, sorvetes e leite condensado orgânicos e sem aditivos.

O consumo vai muito além produtos

Segundo pesquisa do Instituto de Pesquisa Nielsen, em 2016, 42% dos consumidores optaram por comprar as marcas de laticínios mais baratas. Porém, 22% tentou reduzir os gastos no mercado sem abrir mão das suas marcas preferidas. A única forma de construir essa fidelidade é ir além da produção de um produto de qualidade. É preciso agregar valor por meio do investimento em imagem, design de embalagem, variedade, posicionamento e tecnologia, e ainda garantir um preço justo para o consumidor.

Hoje em dia, a Geração Y, também chamada de millennial – que são os jovens nascidos entre 1979 e 1995 – representa aproximadamente 25% da população brasileira, caracterizando-se como uma geração conectada, constantemente exposta a uma grande quantidade de informação que dita os seus hábitos de consumo. Eles querem experimentar coisas novas, fugir dos padrões. Portanto, para este público, a clareza na divulgação de informações é crucial para que continuem apreciando o grande valor que o leite e seus derivados lácteos proporcionam à nutrição humana.

Aliás, não são apenas os jovens que estão conectados atualmente. A informação está em todo lugar, e o seu cliente em potencial está exposto a ela. Portanto, o investimento em comunicação, em estratégias que fortaleçam o nome da sua marca, e que faça com que o seu consumidor crie apego a ela, é grande parte do negócio.

Com um bom planejamento de marketing com foco nas tendências de consumo de seu público-alvo, aliado ao investimento em variedade e qualidade de produtos, fará com que o leite e seus derivados tenham ainda mais valor agregado neste mercado dinâmico e promissor.

Agora que você já tem uma ideia de para onde caminha o mercado de produtos lácteos, chegou a colaborar ainda mais com o crescimento deste setor. Com dados, conhecimento e a orientação certa, seu negócio tem tudo para prosperar muito mais! Esperamos que estas informações te ajudem a fazer as apostas certas para o leite, e se precisar de uma mãozinha com sua marca, conte com a experiência de quem tem mais de 18 anos de mercado. Conte conosco. Conte com a Agro Marketing Mix.

Trackback URL: https://agromarketing.com/2017/12/20/mercado-do-leite/trackback/

Deixe uma mensagem:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *